O Cerrado - Julho/2000

Categoria: 

Ano: XXII - Número: 05 Ref.: Julho/2000
O Cerrado é o jornal do Grupo Escoteiro Marechal Rondon - 4o. DF.
Editorial
Palavra do Chefe
Começando com alegria!
Fique ligado!
O Escotismo
Desafio de chacal
Manual de Instruções
Relato de Atividade
Ruim de dar dó!
E quando eu sou a vítima?
Você é capaz?
Pensar enlouquece... Pense!
Editorial     Caros leitores,     É com grande satisfação que trazemos a vocês a edição de Julho de O Cerrado.  Julho, mês de férias escolares. Férias merecidas e ansiosamente esperadas por todos aqueles que cumpriram seus deveres como estudantes. Esse é o mês de fazer o que temos vontade, o que nos dá prazer.     Para colaborar com esse tempo de descanso e diversão, O Cerrado vem repleto de matérias interessantes para  o vosso deleite.     Ah! Não esqueçam de visitar sempre nossa página na Internet (www.geocities.com/ocerrado/ Agora temos novo “webdesigner”. Aproveitamos o espaço para dar nosso “GRATOS, GRATÍSSIMOS!”  ao pioneiro e jovem líder Jefferson Matos que tem colaborado com o espaço virtual de nosso jornal.     Boas Férias!     Boa leitura!
É o que deseja a Equipe de O Cerrado.
Fique ligado! 12 à 24 de Julho – XI Rover Moot Mundial - México 13 à 16 de Julho – II Ajuri Regional do DF 20 de Julho – Dia do Antigo Escoteiro 28 de Julho – Aniversário do Acampamento de Browsea Manual de instruções... Como fazer (quase) tudo! Para evitar a entrada de cobras e insetos         Nada mais fácil! Para evitar de forma eficaz a entrada de insetos rasteiros e de cobras, na barraca, é só espalhar uma barreira de talco no chão ao longo das entradas. Os insetos e as cobras evitam passar por cima dele. Orientando-se pelo cruzeiro do sul         Se acompanharmos o cruzeiro do sul  com os olhos, em direção ao pé, a haste mais comprida da cruz, e daí, prolongarmos na mesma direção, uma linha quatro vezes e meia o comprimento desta haste, o ponto assim encontrado será o sul. E quando eu sou a vítima? Infarto     Digamos que às 4h 30min da tarde, você está indo para casa, sozinho, de carro, depois de um dia bastante pesado no serviço, não só porque trabalhou  bastante, como também porque você teve uma discussão com seu chefe e não houve jeito de  fazê-lo entender seu ponto de vista.     Você está realmente aborrecido e quanto mais  pensa sobre o assunto, mais tenso você fica... De repente, você sente uma dor muito forte no peito, que  se irradia pelo braço e sobe até o queixo. Você está a uns 8 quilômetros do hospital mais próximo e não tem certeza se vai conseguir chegar até lá...     O que fazer?     Você fez um curso de primeiros socorros, mas  não é que o instrutor se esqueceu de explicar o que fazer quando a vítima é você mesmo?     Como conseguir  sobreviver a um ataque cardíaco se estiver sozinho? (É muito freqüente as pessoas passarem por essa  situação!).     Sem assistência, a pessoa cujo coração para   de funcionar adequadamente e que começa a sentir que vai desmaiar, tem apenas 10 segundos antes de perder a consciência! O que fazer para sobreviver quando estiver sozinho? Resposta:     Essas vítimas podem ajudar a si mesmas  tossindo com força repetidas vezes. Inspire antes de tossir, tussa profunda e  prolongadamente, como quando está expelindo catarro de dentro do peito.     Repita a seqüência inspirar/tossir a cada dois segundos, até que chegue algum auxílio ou até que o coração volte a funcionar normalmente.     A inspiração profunda leva oxigênio aos pulmões e a tosse contrai o coração e  faz com que o sangue circule.     A pressão da contração no coração  também o ajuda a retomar o ritmo normal. Desse modo,  uma vítima de um ataque cardíaco pode fazer  uma  ligação telefônica e, entre as inspirações, pedir ajuda.
Artigo publicado no nº 240 do Jounal of General Hospital Rochester
  Palavra do Chefe     Nesta edição o Chefe Xaud foi nosso entrevistado. Confira o que ele disse. Ficha técnica: Nome: Eduardo Jenner Brasil Xaud Apelido: Chefe Xaud Tempo de Escotismo: Aproximadamente 2 anos como escoteiro nos idos de 1965, em Boa Vista Roraima, e como escotista em Brasília, desde 1988. Primeira Patrulha: não me recordo Melhor Atividade: construir uma jangada e atravessar o Rio Branco (mais ou menos 1000 metros) Mais importante conquista no movimento escoteiro: até o momento, o Anel de Guiwell. Grupo Escoteiro: Marechal Rondon - 4 DF Entrevista: O Cerrado: O que é o Escotismo representa para o senhor? Ch. Xaud: Uma forma dinâmica de forjar o caráter do jovem.         Eu disse forjar? Sim, o jovem é o ferro em brasa, intrépido, corajoso, capaz de todas as conquistas e vitórias que a vida pode lhe dar, porém, se não for moldado pelo ferreiro que malha até encontrar a forma perfeita desejada, esse ardor pode destruir tudo em sua volta e ficar frio em forma esparramada. E as vezes, já encontramos essa formas amorfas e, lentamente, com o calor do amor, procuramos, por intermédio do método escoteiro, remolda-las para a vida. É isso que o escotismo representa! O Cerrado: O que pensas sobre a frase: "Mais Escoteiros, Melhores Cidadãos"? Ch. Xaud: Se estamos falando dos que seguem as Leis do Movimento e vivenciam sua promessa escoteira, não há duvidas sobre o futuro moldado em uma sociedade mais justa e ordeira. É o nosso sonho. O Cerrado: Qual o papel do Escotismo no mundo de hoje? No Brasil há alguma função a mais que em países "desenvolvidos"? Ch. Xaud: O Escotismo no mundo de hoje tem um papel fundamental na Fraternidade entre os povos. São valores comuns, critérios unificados e vida simples ao ar livre que nos permitem quebrar as barreiras das culturas e das línguas. No Brasil, nós, escotistas, temos a consciência de que as desigualdades sociais e de distribuição das rendas familiares são fatores que limitam o acesso de mais pessoas ao nosso movimento. A UEB, independente das pessoas que estejam voluntariamente colaborando, deve se estruturar para ter um fundo financeiro comum de apoio e solidariedade aos mais necessitados. O Cerrado: O Escotismo Brasileiro tem desempenhado bem o seu papel? Ch. Xaud: Passo. Não conheço o escotismo em todos os Estados. O Cerrado: E no DF, o senhor acha que estamos trabalhando da forma correta? Ch. Xaud: Não. A separação em distritos tornou o movimento muito “local”. E as atividades distritais, por sua vez, estão se tornando cada vez “Hollywoodianas”, onde o escoteiro paga para ter segurança, para ter café da manhã, almoço pronto, jantar as seis e muita diversão. Ou seja, apesar de só levar e montar uma barraca, o custo de cada atividade é cada vez maior (afastando os de classe média remediada  como eu). O Cerrado: Em nosso Grupo, há algo a melhorar? Como? Ch. Xaud: “Nada é tão perfeito que não possa ser melhorado e nada é tão ruim que não possa ser aproveitado” (Provérbio Árabe). E em nosso Grupo, estamos tentando, ainda, implantar os pontos fortes levantados no Repensar o Rondon. Observe-se que bastar ter boa vontade e querer melhorar. Numa jornada de 10 quilômetros, o mais importante é o primeiro passo e depois, seguir o rumo desejado. Acho que já alongamos tempo suficiente para aquecer os músculos e a mente. Agora, é só querer. O Cerrado: É importante a participação dos pais? De que forma? Ch. Xaud: Em primeiro lugar, se não há pai, não há movimento escoteiro. É basilar o engajamento dos pais. - São os pais que se inscrevem no movimento e o filho apenas se beneficia; - São os pais que desejam que seu filho receba uma educação extra-escolar para a cidadania, para a vida; - São os pais que assinam a ficha de inscrição, se comprometendo a: ...... - Os pais só inscrevem o filho se aceita e pratica os princípios do escotismo, pois, de outro modo, haverá um eterno choque entre  a família e o filho escoteiro;         Agora, não basta dizer: olha , essa é a nossa Constituição, vocês estão sabendo, vocês deve fazer isso, e por ai afora.         É preciso cativar, incentivar, dialogar, demonstrar, é preciso ser mais que relações humanas. É preciso ser líder como um todo. E o líder sabe delegar, sabe aproveitar os potenciais colocados a sua disposição. O Cerrado: Que pensas da opinião: "O problema do Escotismo são os Adultos!"? Ch. Xaud: Em todas as sociedades os anciões são venerados por sua sabedoria. São consultados, são ouvidos. Qual a razão dessa veneração? A experiência dos fatos vivenciados.         Então os adultos não são o problema. O problema é a formação diversificada do adulto. Alguns se aproximam do movimento pensando em tirar vantagens pessoais. Outros, para fugir do tédio. Outros, achando que o movimento, pelas suas virtudes, é a panacéia para todos os males, inclusive os amorosos.         Veja você, meu caro jovem. Amanhã você será um adulto! E a sua experiência e a sua vivência é que farão um escotismo muito melhor. Agora, laçar um adulto qualquer, que não conheça e vivencie o escotismo e querer que, num passe de mágica ele seja um bom chefe ou um bom escotista é uma grande pretensão (e uma decepção muito, mas muito maior). O Cerrado: Os jovens podem contribuir para a prática de um Escotismo de qualidade? Como? Ch. Xaud: Sim, seria o ideal que os jovens, principalmente os pioneiros e mais tarde os novos escotistas assumissem toda a parte técnica do movimento escoteiro. Posteriormente, assumissem também a parte organizacional. O futuro é dos jovens de hoje, que serão os adultos de amanhã. Por isso não se esqueça. O problema não são os adultos. Pode ate ser alguns tipos de adultos. Mais não podemos generalizar. O Cerrado: Em sua opinião, podemos esperar melhoras para o futuro? Ch. Xaud: Sim , podemos.         Só existe um tipo de derrotado. Aquele que não aprendeu com a derrota.         Aquele que acredita que pode mudar o mundo, aquele que sonha com um mundo melhor ou aquele que acha que tudo está fora de lugar e precisa ser consertado, esse vai em busca do seu sonho, esse é um vencedor. O Escotismo O Escotismo não vem de hoje Ele já é um tanto antigo Surgindo dos velhos amigos Que estão sempre unidos Gente firme, gente esperta Sem esquecer é claro de estar Sempre ALERTA Para tudo e para com todos Sem desmerecer Até aqueles que se dizem ser tolos Ou o são realmente Observando o passado Procura viver bem o presente Para um futuro melhor Isso não ocorre por acaso Necessita de muito suor O escoteiro é leal Nunca briga por um real O escoteiro é cortês Sempre age com sensatez O escoteiro é amigo Sempre estende sua mão A um amigo Porém, Até mesmo a um mendigo
Heloísa Laranja Carneiro Patrulha Apinaye
  Relato de Atividade         Nos dias 10 e 11 de junho ocorreu uma jornada entre os seniores e pioneiros do Grupo. Às 10 horas da manhã, todos se reuniram na sede, para dividir o material de patrulha nas mochilas, estando todos alerta para que o peso da mesma não excedesse 1/3 do peso de cada um. As 11:30, depois de tudo pronto, começava o trajeto a Chácara Juliana, Córrego do Meio, Planaltina – DF.         Depois de alguns minutos de espera, a tropa seguia no ônibus para Planaltina. Saltando na rodovia a Tropa deu início ao percurso de Giwell, que foi realizado em sistema de patrulhas. As patrulhas estavam organizadas na combinação de seniores e pioneiros. Depois de alguns quilômetros e sentido a necessidade de se alimentar, ocorreu uma parada no percurso. Com uma lona aberta todos se alimentaram para que conseguissem seguir o trajeto.         O sol forte, a poeira, e o peso das mochilas eram condições adversas, porém todos seguiam contando passos duplos, tirando azimute, ou simplesmente conversando. As meninas da patrulha Apinayé/Nambikuara, sobre tudo, merecem parabéns, pois seguiam com passos fortes e firmes. Com o corpo um pouco doloridos, após 10 quilômetros de caminhada, os escoteiros chegavam à chácara Juliana.         Os campos das patrulhas poderiam conter somente o local para dormir, barraca, para quem conseguisse levá-la, um abrigo com lona ou um monte de redes penduradas – e um local para fazer a comida. As refeições de todas as patrulhas foram preparadas em fogo a lenha. Estando o campo pronto, todos alimentados e limpos, deu-se início a Cerimônia do Fogo de Conselho. O fogo de conselho teve tema livre, e contou com a presença dos anfitriões da chácara, a Sra. Socorro e o Sr. Joaquim, além de um amigo deles e do caseiro.         As apresentações ocorreram da seguinte maneira, uma patrulha começava a história e as outras davam continuidade à mesma. Neste sistema de apresentação pode se constatar a criatividade de alguns dos integrantes de nossa tropa, como a história de “Os seus cabelos”, da guia Heloisa, ou a verídica história (que continha erros para serem descobertos) do resgate da equipe de Jaque Custeu ao Chefe Henrique (Em uma de suas aventuras). Nos intervalos das apresentações ocorria um “Show de piadas”, desta vez com destaque para a piada de “Chuá é o bom, Chuá é o melhor”, de Enos Barbosa. Após as apresentações, todos se reuniram na sede da chácara para comer uma deliciosa Canjica.         O cansaço e o frio eram grandes entre os participantes da atividade e todos foram dormir. Acordados pelo pioneiro Marcelo Xaud, juntamente ao chefe Henrique, por volta de quatro e meia da manhã a Tropa deu início, em meio ao sono, a escuridão e ao frio incessante, a uma caminhada a pedra fundamental de Brasília, local onde depois seria observado o nascer do sol. Depois de encontrar alguns latidos de cachorros pela estrada, ficou decidido seguir de carro.         Chegando a Pedra, com vista para o Vale do Amanhecer e Planaltina, os escoteiros aguardaram pelo nascer do sol. Apesar de demorar um pouquinho, o sol proporcionou um belíssimo espetáculo, sobrepondo suas cores entre as nuvens. Com o sol já radiante, os escoteiros fizeram uma reflexão/oração ali mesmo contemplando a natureza. E como o escoteiro é amigo da natureza, ficou-se decidido realizar um pente fino no local (visto que esse se encontrava um pouco sujo). Recolhido o lixo, a tropa seguiu ao campo para tomar o seu café.         Depois de estarem alimentados, seguiram em um caminho a chácara vizinha, onde havia uma cachoeira. A água era gelada, porém agradável (em decorrência do calor que todos sentiam). Acabado o tempo de lazer agradeceram aos proprietários da chácara e seguiram para preparar o almoço. Este teve como destaque o Kabobs (mistura de legumes e carne) da patrulha Txucahamãe. Como sobremesa, pode-se desfrutar das ótimas tangerinas oferecidas pela Chácara.         Desmontado o campo, todos seguiram para a rodoviária de Sobradinho, onde pegaram o ônibus para a sede do grupo. Este tipo de atividade proporcionou uma integração entre os membros juvenis, estando em contato com a natureza, seguindo assim o ideal escoteiro. Apesar do cansaço, os participantes ficaram felizes com a superação de si mesmos, e com a harmonia conseguida pelo grupo.
Danilo Pires
Quando você quiser contar a história de uma atividade que você participou, escreva-nos. Esse espaço é seu! Utilize-o! Você é capaz?         Veja o desafio que Joãozinho nos faz nessa edição:         Se um remarcador de preços e meio consegue remarcar uma lata e meia num segundo e meio, quanto tempo levará um remarcador para remarcar uma dúzia de latas?
Você já sabe. Resposta na próxima edição!
  Começando com Alegria!         Estão abertas as inscrições para o maior acampamento escoteiro do Brasil – o XI Jamboree Pan Americano, que será realizado de 07 a 12 de janeiro de 2001 no Centro de Convenções de Foz do Iguaçu, em Foz do Iguaçu – PR.         O XI Jamboree Pan Americano reunirá 8.000 escoteiros de toda a América, para começar com muita alegria o novo milênio, durante 6 dias de atividades emocionantes em lugares privilegiados pela natureza, como as Cataratas do Iguaçu e o parque ecológico do Paraguai, além do lago e da usina de Itaipu.         Além da beleza e exuberância do local escolhido e a oportunidade de confraternização com escoteiros de todo o continente, os participantes do XI Jamboree Pan Americano contarão com a estrutura de uma verdadeira cidade, com supermercado, farmácia, lanchonetes, restaurantes, hospital, ambulâncias, postos de primeiros socorros, sistema de luz e esgoto, telefones públicos, central de Internet, sistema de transporte para atividades externas, e toda infra-estrutura necessária para a realização de um ótimo acampamento.
Veja mais em: www.jamboree.org.br
  Desafio de Chacal         O Jornal o Cerrado tem um público bastante especial! A idade dos leitores varia de 7 a 70 anos, dentre escoteiros, antigos escoteiros e a comunidade (via Internet). Damos início a mais uma nova seção que tem como público alvo escoteiros entre 7 à 11 anos. Os primeiros desafios são uma colaboração do Escoteiro Guilherme. Faça como o Guilherme, escreva-nos! - Você está participando de uma corrida de formula 1, na qual todos querem ganhar. De repente você ultrapassa o  2° colocado! em que lugar você fica?                             Resposta: 1º - Um médico receita e entrega a você 3 comprimidos para dor de cabeça, para serem tomados um a cada trinta minutos. Em quantas horas você terminará o tratamento se seguir corretamente a receita?                                                                                   Resposta: 1h e 30 min Ruim de dar dó!         O Batman pegou seu batsapato social e seu batblazer. Aonde ele foi?         R: A um bat-zado. Pensar enlouquece... Pense!     “A melhor coisa para se fazer quando se está triste é aprender alguma coisa.” - Merlin     "A realidade pode destruir um sonho; por que um sonho não pode destruir a realidade?"      - George Moore   Equipe de O Cerrado: Clóvis Henrique – Pioneiro Danilo Pires – Sênior Diogo Gonçalves - Pioneiro Gustavo Carvalho – Sênior Heloísa Carneiro – Guia Jefferson Matos - Pioneiro Marcelo Xaud – Pioneiro Paula Barreira – Guia

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Each email address will be obfuscated in a human readable fashion or, if JavaScript is enabled, replaced with a spam resistent clickable link. Email addresses will get the default web form unless specified. If replacement text (a persons name) is required a webform is also required. Separate each part with the "|" pipe symbol. Replace spaces in names with "_".
  • Endereços de sites e e-mails serão transformados em links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são gerados automaticamente.
CAPTCHA de imagem
Digite o texto exibido na imagem.